terça-feira, 28 de agosto de 2018

Interview with Tana Pigeon, the woman behind Mythic GME!

People, it is with great joy and happiness that today I present, in English Language, a talk wih Tana Pigeon, the man behind Mythic GME, and many more cool RPGs, supplements and materials.


We talked a bit about the history of MYTHIC GME, the ideias behind the supplements Variations I and II, and about solo RPG in general!

For me it was like a dream to have this conversation. Mythic is a game that changed my life in many different levels!

So, here it is!



Hi, Tana Pigeon. Here is Tarcisio Lucas, who contacted you on Google Plus, about the interview for my blog in Brazil.
First of all, I would like to register that I am extremely fond of your work, and I can certainly say that Mythic has changed my life! I've always wanted to play RPG, but I've never been able to form a consistent group ... with Mythic, I was able to fully realize that dream!



1-Last year you released a new supplement for Mythic, "Variations II", presenting new ideas and methods to deepen the Mythic experience. It was amazing, I loved it.  How did the ideas in this release come to life?

Tana: I’m glad you liked Variations 2. Mythic had been out for a long time without any major revisions to it, or a second edition. While the core mechanic of Mythic, the yes/no questions approach, can be used to resolve any detail, I always wanted Mythic to incorporate more natural language questions. Instead of trying to come up with a single way to handle every question, I thought it was best to come up with a number of different ways to ask and answer different types of questions. So, that’s where Variations 2 comes in. I wanted Mythic to be able to answer any question, not just yes/no.

2 - You are recognized as the creator of the most emblematic RPG when it comes to RPG solo ... but I would like to know if you have any preference as a player: playing solo, cooperative, or in traditional groups (with the Master / players division)?

 Tana: I love to play solo. Big surprise, right? lol Honestly, I would like to play in a traditional group as well, but I just don’t have the time for it. A lot of people are in the same boat. I think even if I did have access to a group, I’d still mostly be playing solo because I love it. When I run a solo game, I often write it out, like a novel. I see my solo games as being part of an unfolding story.

3- Much that has been developed related to solo RPG in recent years draws heavily from what was presented at Mythic. Have you been following any of these new games? Has anyone caught your attention in a special way?

Tana: I’m always interested in hearing about them, because I find it fascinating the different directions people find to take solo play in. I also enjoy discussions about solo play, because there are so many good ideas out there. But it’s rare that I’ll delve too closely into other solo systems, mainly because I’m deeply involved in projects.


4- How was your first contact with RPG? And at what point did you think, " I need to create a system that allows me to play by myself?"

Tana: Like a lot of people, I discovered role playing games at an early age. Probably around when I was ten or so. I fell in love with them immediately. I was an introverted kid and spent a lot of time by myself. I loved making board games, just scribbling them out with pencil on paper. These were mostly solo games I’d play. The more I got into role playing games, the more frustrated I became that I couldn’t play them solo. I started seriously thinking about coming up with a solo engine in my early teens, maybe as early as 13. I was into computer programming, really basic stuff with a Commodore 64. I enjoyed making my own computer games, and I got more into concepts of artificial intelligence. This is what got me really thinking about mixing the concept of a computer AI with a pen and paper role playing game. The solo engines I developed went through many iterations. By the time I was about 30, I’d gone through maybe ten different versions of what eventually became Mythic.

5- Besides  playing RPG, do you have any other hobby in particular?

Tana: Sure. I love books and writing. I’ve written quite a few short stories, a couple of books, and I write a few poems every month. I’m a big geek and love science fiction and fantasy. I enjoy writing online with people too in sort of collaborative, improv story making. I enjoy graphic design and publishing, which is also my main source of income. I play some piano and I like music in general.

6. Of all the books you've ever written, which one did you most enjoy writing? And which was the most difficult?

That’s a tough one. Each book is a labor of love, so I enjoyed them all. The first Mythic book I probably enjoyed the most, but it was also the most difficult to make because I was figuring out how to make and publish a game while I was doing it. I honestly didn’t think anyone would be interested in Mythic, it just seemed too unusual, so I didn’t make it to sell, really. I made it because I loved Mythic and I’d been using it for years, with the rules just being loose sheets of paper I kept in a folder. I felt it deserved to be in an actual book on my shelf, so I decided to produce it. Of the later books, I very much enjoyed making Creature Crafter because I adore monsters. Who doesn’t like monsters! That book was just pure fun to make.

7- In addition to the games you have created, which RPGs do you like best? And what's your favorite kind of scenario/setting?

I have a couple of bookcases that are full of rpg books. Maybe 150 of them or so. I’m always buying more because I can’t resist. I rarely even play the games I buy, I just love reading them. However, if I were to choose the games I like the best, my top pick would have to be Call of Cthulhu. It’s just such an awesome genre, and Lovecraft’s mythos is so rich with unique atmosphere. I really can’t get enough of that. I’m a big D&D fan as well. I think the fifth edition is probably the best version of it ever. I tend to like darker settings with magic, and I like somewhat grittier and realistic scenarios because I feel like you can get some really poignant drama from that. Another favorite of mine is the old TSR Marvel Adventures game. I love superhero RPGs in general. Currently, I’m playing Rogue Trader. I very much like the whole Warhammer universe, it’s just so gorgeous and strange. I’m also a fan of Palladium games. They're old school RPGs that are still thriving to this day largely unchanged. What their games lack in modern design they more than make up for in pure fun.

8- Here in Brazil the solo RPG is only begining, in a more systematic way. The RPG generally moves a small number of people  here(but we  have great games, very well written). How do you see the RPG solo scene in your country, Tana?

Tana: Isolating my country in terms of solo play is hard for me. I’ve been so embroiled in the online environment for so many years now, I tend to think of role players as a global community. My sense is, though, that solo play is fairly uncommon in the United States, but for those who engage in it they are passionate about it. It’s interesting to me, because role players tend to deeply love role playing games. So here you have a community that not only loves RPGs, but they love solo play, too. It’s a niche within a niche. My hope is that solo play will continue to expand into wider audiences within the RPG community, and I think that’s happening.

9- Mythic and its supplements have a series of very special mechanics - Fate Chart, Chaos Factor, Favor Points, complex question, and more - what mechanics did you create that you are most proud to have done?

Tana: The Fate Chart, for sure. That’s the heart of Mythic. Everything else orbits around it in support. I’m proud of the fact that such a simple mechanic like the Fate Chart can take on so much life once you start using it. Many people seem to quickly get the sense that Mythic is alive and thinking while they use it. It’s a combination of the adventure itself taking on a life of its own, and the imagination of the player naturally giving more and more meaning to everything that happens. This is all strung around the Fate Chart, which is like the scaffolding that gives it all shape and form. 

10- What are the biggest rewards in working as an RPG game publisher? And what are the biggest challenges?

Tana: The biggest reward for me is in hearing from people who use Mythic and love it. I get emails from people telling me things like, they love RPGs but could never play them before but now they can. Or, they say that Mythic has breathed new life into their games, or has somehow touched their lives in a positive way. Hearing such energizing things from people is never something I expected when I got into this, and it’s easily the best part of publishing Mythic for me. The biggest challenge is how much work this is. I love the games I make, and I take them seriously, so it takes me a long time to produce a book. I’m coming up with the ideas, writing, commissioning artwork, typesetting the books, playtesting, maintaining the website, answering fan email, checking in on online groups, and taking care of the business side of things. It’s all just me doing it from top to bottom. I love it all, but it’s sometimes frustrating to me that I can’t produce more, faster

That's it, Tana. Once again, thank you very much! When I started to spread the RPG solo here in Brazil it never crossed my mind the possibility of interviewing someone so important to the history of the games that have this proposal.
A big hug, see you later

Thank you, Tarcisio, for the opportunity to answer your questions :) I think it’s awesome that you’re spreading solo play in Brazil, you’re going to help introduce a lot of people to our amazing world!

If you have any questions about any of my answers above, or would like anything clarified, please let me know.

Take care!
Tana Pigeon



segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Interview with Shawn Tomkin, the man behind Ironsworn!


People, this is a blog made in Brazil, and the posts are usually written in Portuguese. But once I have done interviews with authors from several countries, some of these stories will also be published in English, as I believe it may be in the interest of many people from other countries as well.

To open this session, I present an interview with Shawn Tomkin, creator of the great game IRONSWORN.

Thanks in advance to Shawn, who was extremely supportive, friendly and helpful, and told us a bit about his trajectory and ideas, and a little about this wonderful game he created!



1 - Shawn, how was your start in the RPG world? And, being more specific, how was your first contact with the RPG solo world?

I was a child of the 70's, so I was around for the original editions of Dungeons and Dragons. Unfortunately, I didn't have a group of friends interested in playing, so I used the dungeon generation tables in the Dungeon Masters Guide to play it as a solo game. I'd generate the rooms and monsters by rolling on the tables, and guide a party of adventurers through a chaotic (but fun) adventure. This was my first exposure to roleplaying games and solo RPG's. 

There was also a min-game called DeathMaze in the late 1970's. This was one of the earliest board game/RPG hybrids, and supported solo play. I played that game a ton, since it was more straightforward than a solo Dungeons and Dragons session.

2- And at what point did you feel the urge / need to create your own system?

I've been hacking at systems and trying to invent my own systems since the very beginning. Not much of it amounted to anything, but it's always been an interest of mine.

3- Was Ironsworn your first work as an RPG game designer?

It is my first significant work that I've put out in the public. I've created a few fan expansions of other games over the years, and my computer is full of discarded work for other game designs.



4- What are your favorite RPGs, as a player?

I will always have a fondness for Dungeons and Dragons, and I still get in a game now and then. Also, my son publishes material for D&D, so I tend to stay tuned in to what's happening.

I also really like the versions of Runequest (now called Mythras) published by The Design Mechanism. It's a great system, especially for the grittier kinds of fantasy or historical gaming that appeal to me.

On the more narrative side of the fence, I like Fate Core a lot, since it's very easy to customize to your setting and preferences. It's probably the game I've played and GM'd most over the last decade.

Of course, I love many of the Powered by the Apocalypse (PbtA) games. Ironsworn is inspired by and leverages mechanics from several of them, especially Apocalypse World, City of Judas, and Dungeon World. 

5- The Ironsworn's graphical quality has been praised almost every time the game is quoted. In fact, it's something that stands out a lot! Do you work professionally with design and publishing?

My job is in web design. This was my first attempt at book layout, and I've been really pleased by the positive response. I was mostly trying to keep it simple and easy to read on tablet displays. I really admire the rich, dense designs of some RPG books, but I think that might be beyond my capabilities (for now!).


6 - It seems that images and pictures - like the ones in the book - are great sources of inspiration for your creations, Shawn. In What other things (music, movies, series) did you seek inspiration for Ironsworn?

Vikings (the show, and Nordic culture generally)  is a fairly obvious touchstone in terms of tone and is reflected by much of the imagery in Ironsworn.

For reading, various gritty fantasy books, such as those by Joe Abercrombie and Glen Cook. Also, historical books by Bernard Cromwell, especially his Last Kingdom series.

The Witcher books and games, and RPG video games (especially Skyrim!) were an inspiration for Ironsworn's quest-based structure.

From film, I've drawn inspiration from Kurosawa movies, Clint Eastwood westerns. and the Mad Max movies (Road Warrior and Fury Road). Especially for solo play, Ironsworn leverages the themes and concepts of the driven, lone hero. They may be a reluctant hero at first, but ultimately they'll see their vows fulfilled.

For musical inspiration, I listen to a variety of film scores and cinematic music, and Nordic folk artists such as Danheim.

7 - Ironsworn was designed to have 3 distinct game modes - solo, coop or with a Master, in a more traditional way. I would like to know which of these 3 modes you like the most (not just in Ironsworn, but in general).

I've got an affection for solo gaming, of course, but I really enjoy co-op board games and RPG's with a cooperative GM-less mode. I can get a game going with as few as 1 other players, and I'm not forced to just be the GM.

I wanted Ironsworn to be focused on solo and small group play because that's been my gaming reality for most of my life. I think it plays best in solo mode or with 2-3 players.

8- In addition to the ironsworn site, the game has a very participatory community on Google +. The Lone Wolf Roleplaying community also is always presenting something related to your game, not to mention the fact that someone recently set up a Facebook group dedicated to the system… when you started building and creating Ironsworn, did you imagine that it would take such huge proportions?

I really had no expectations. I started publishing preview materials in April 2017, and eventually folks starting participating and providing feedback. I'm a person without much a social media presence, and I don't post in forums very much, so it's humbling and exciting to have a G+ group with several hundred people and to see people taking about and recommending Ironsworn in various places. I try to stay engaged with the community, and the feedback really did shape Ironsworn into a much better game.

9- Here in Brazil, we have a small but very active community of solo RPG players. In what other countries do you see there are a considerable number of Ironsworn players?

I've been thrilled to see Ironsworn played and discussed in other countries.  The United States, Brazil, Canada, the UK, and France seem to have lots of folks who are at least looking at Ironsworn, if not actively playing. I've had some interest in translating for Spanish, Portuguese, French, and German.

Well, Shawn, we've come to that part where you can feel free to say whatever you want, and send a message to the Brazilian players of Ironsworn who will read this story!

There was many times when I'd look at my website visitor records and wonder "What the heck is going on in Brazil?". I really appreciate the Brazilian RPG community spreading the word and being so kind and enthusiastic. Please stay tuned and let me know what you think, because I hope that this is just the beginning for the game.

Thanks so much for your questions and support!


sábado, 25 de agosto de 2018

Entrevista com Shawn Tomkin, criador do IRONSWORN!


Bom, People, hoje é com orgulho e alegria que apresento nossa segunda entrevista internacional. Dessa vez o entrevistado é nada mais nada menos do que o grande  Shawn Tomkin, o criador do jogo Ironsworn, em uma entrevista exclusivíssima!

Shawn foi extremamente solícito e simpático. Foi muito bacana esse bate papo, espero que curtam tanto quanto eu ou o próprio Shawn!

Vamos lá!


1 - Shawn, como foi o seu começo no mundo dos RPG? E, sendo mais específico, como foi seu primeiro contato com o mundo do  RPG solo?

Shawn: Eu era uma criança nos anos 70, então eu estava por perto quando sairam as edições originais do Dungeons and Dragons. Infelizmente, eu não tinha um grupo de amigos interessados ​​em jogar, então usei as tabelas de geração de masmorra no Dungeon Masters Guide para jogar como se fosse um jogo solo. Eu criava as salas e monstros rolando sobre as tabelas, e guiava o grupo de aventureiros através de uma aventura caótica (mas divertida). Esta foi minha primeira exposição ao RPG e ao RPG solo.
Houve também um mini-game chamado DeathMaze no final dos anos 70. Este foi um dos primeiros jogos de tabuleiro / híbridos de RPG, e apoiava o jogo solo. Eu joguei esse jogo centenas de vezes, já que era mais simples do que uma sessão solo de Dungeons and Dragons.

2- E em que momento você sentiu o desejo / necessidade de criar seu próprio sistema?

Shawn: Eu tenho criado sistemas e tentando inventar meus próprios jogos desde o começo. Muito disso não serviu para muita coisa, mas sempre foi um interesse meu.

3- Ironsworn foi seu primeiro trabalho como designer de jogos de RPG?

Shawn: É meu primeiro trabalho significativo que eu publiquei à todos. Eu criei algumas expansões de fã para outros jogos ao longo dos anos, e meu computador está cheio de trabalho descartado para outros projetos de jogos.



Quais são seus RPGs favoritos, enquanto jogador?

Shawn: Eu sempre terei uma predileção por Dungeons and Dragons, e eu ainda entro em uma partida de vez em quando. Além disso, meu filho publica material para D & D, então eu costumo ficar ligado no que está acontecendo.
Eu também gosto muito das versões do Runequest (agora chamado Sistema Mythras) publicadas pela editora The Design Mechanism. É um ótimo sistema, especialmente para os tipos mais ousados ​​de fantasia, ou jogos históricos que me atraem.
No lado mais narrativo da cena, eu gosto muito do Fate Core, já que é muito fácil personalizar o seu cenário e preferências. É provavelmente o jogo que eu mais joguei e mestrei na última década.
Claro, eu amo muitos  jogos Powered by the Apocalypse (PbtA). Ironsworn é inspirado neles, e aproveita mecânicas de vários, especialmente Apocalypse World, City of Judas e Dungeon World.

5- A qualidade gráfica do Ironsworn tem sido elogiada quase toda vez que o jogo é citado. Na verdade, é algo que se destaca muito! Você trabalha profissionalmente com design e publicação?

Shawn: Eu trabalho com web design. Esta foi a minha primeira tentativa de criar o layout de um livro, e fiquei muito satisfeito com a resposta positiva. Eu estava tentando manter a simplicidade e a facilidade de leitura nas telas dos tablets e celulares. Eu realmente admiro os designs ricos e densos de alguns livros de RPG, mas acho que isso pode estar além das minhas capacidades (ao menos por enquanto!).

6 - Parece que imagens e fotos - como as do livro - são ótimas fontes de inspiração para suas criações, Shawn. Em que outras coisas (música, filmes, séries) você buscou inspiração para Ironsworn?

Shawn: Vikings (a série de TV, e cultura nórdica em geral) é uma inspiração bastante óbvia em termos de tom e é refletida por muitas das imagens em Ironsworn.
Na leitura, vários livros de fantasia, como os de Joe Abercrombie e Glen Cook. Além disso, livros históricos de Bernard Cromwell, especialmente sua série Last Kingdom.
Os livros e jogos do The Witcher e jogos de RPG para PC (especialmente Skyrim!) foram uma inspiração para a estrutura baseada em missões de Ironsworn.

Quanto aos filmes, eu me inspirei em filmes de Kurosawa, westerns de Clint Eastwood. e os filmes Mad Max (Road Warrior e Fury Road). Especialmente para o jogo solo, Ironsworn aproveita os temas e conceitos do herói solitário. Eles podem ser heróis relutantes no começo, mas no final eles verão seus votos cumpridos.
Como inspiração musical, ouço uma variedade de trilhas sonoras de filmes e músicas cinematográficas, e artistas folclóricos nórdicos, como Danheim.

7 - Ironsworn foi projetado para ter 3 modos de jogo distintos - solo, coop ou com um mestre, de uma forma mais tradicional. Eu gostaria de saber quais destes 3 modos você mais gosta (não apenas em Ironsworn, mas em geral).

Shawn: Eu tenho uma afeição por jogos  solo, é claro, mas eu realmente gosto de jogos de tabuleiro cooperativos e RPGs com modo cooperativo sem Mestre. Eu posso fazer um jogo com alguns outros jogadores, e não sou forçado a ser eu apenas o GM.
Eu queria que Ironsworn estivesse focado em jogos solo e em pequenos grupos, porque essa tem sido a realidade dos meus jogos durante a maior parte da minha vida. Eu acho que ele(Ironsworn) funciona melhor no modo solo ou com 2-3 jogadores.



8- Além do site  próprio do  Ironsworn, o jogo tem uma comunidade muito participativa no Google+. A comunidade Lone Wolf Roleplaying está sempre apresentando algo para o seu jogo, sem mencionar o fato de que alguém recentemente montou um grupo no Facebook dedicado ao sistema ... quando você começou a construir e criar o Ironsworn, você imaginou que tomaria toda essa proporção?

Shawn: Eu realmente não tinha expectativas. Comecei a publicar materiais para visualização em abril de 2017 e, eventualmente, comecei a participar e fornecer feedback. Eu sou uma pessoa sem muita presença na mídia social, e eu não posto muito em fóruns, então  é empolgante ter um grupo  no G + com várias centenas de pessoas e ver pessoas jogando e recomendando o Ironsworn em vários lugares. Eu tento ficar envolvido com a comunidade, e o feedback realmente transformou o Ironsworn em um jogo muito melhor.

9- Aqui no Brasil, temos uma comunidade pequena, mas muito ativa, de jogadores de solo RPG. Em que outros países você vê que há um número considerável de jogadores de Ironsworn?

Shawn: Eu fico emocionado ao ver o Ironsworn sendo jogado e discutido em outros países. Os Estados Unidos, o Brasil, o Canadá, o Reino Unido e a França parecem ter muitas pessoas que estão, pelo menos, olhando para o Ironsworn, se é que não estão jogando ativamente. Eu tenho visto algum interesse de pessoas querendo traduzir o jogo para espanhol, português, francês e alemão.

Bem, Shawn, chegamos aquela parte em que você pode se sentir livre para dizer o que quiser e mandar uma mensagem para os jogadores brasileiros de Ironsworn que lerão essa entrevista!

Shawn: Houve muitas vezes em que eu olhava para o meu site e perguntava "O que diabos está acontecendo no Brasil?". Eu realmente aprecio a comunidade brasileira de RPG, que está espalhando a palavra do Ironsworn e sendo tão gentil e entusiasmada. Por favor, deixe-me saber o que vocês pensam, porque espero que este seja apenas o começo para jogo.

Muito obrigado por suas perguntas e pelo apoio, Tarcisio!

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

O Desafio dos Bandeirantes, um clássico que retornará em breve

O cenário do RPG nacional é extremamente criativo.
Isso é uma verdade incontestável, seja agora, seja em seus primórdios.
Lançado em 1992, o Desafio dos Bandeirantes, escrito por Carlos Eduardo K. Pereira, Flávio Andrade e Luiz Eduardo Ricon e publicado pela GSA (a mesma que já havia publicado o Tagmar) veio trazer um cenário extremamente original para os padrões da época.

Aqui geralmente acontece um erro de análise. Muitas matérias costumam dizer que o jogo apresenta o Brasil colonial como cenário, o que não é verdade, tecnicamente falando.
Ainda que de fato toda a mitologia e sociedades apresentadas sejam baseadas fortemente em nossa história, o Desafio dos Bandeirantes se passa em um cenário alternativo, um lugar chamado "Terra de Santa Cruz" - que NÃO É O NOSSO PERÍODO COLONIAL, mas sim uma espécie de "realidade paralela" a ele.

Isso não desmerece de forma alguma o trabalho, que até hoje, se lido com atenção,  mostra-se extremamente criativo, mesmo tendo se passado 26 anos!



O sistema de Regras de Desafio dos Bandeirantes é muito bacana e funcional.

O sistema de criação de personagem, que apresenta Raças como "mulatos", "índios", "mestiços", aliado a um diferente sistema de profissões (classes) como "feiticeiros de ferro e fogo", "jesuíta", "pajé",é extremamente simples e eficaz, além de muito divertido.

As regras de combate também são bastante concisas, permitindo combates rápidos, ainda que ofereça uma série de nuanças nesse quesito.

Desafio dos Bandeirantes transpira honestidade em todos os aspectos, seja no texto, nas mecânicas, estética...é um trabalho de um grupo de pessoas que nutriam - e ainda nutrem - um amor profundo pelo RPG e pelo nosso país, e isso é perceptível em cada página!

Segue aqui uma foto da minha fotocópia do jogo; na época da geração xerox, comprei o livro, e um amigo meu fez uma cópia. por uma série de circunstancias esquisitas que não me recordo muito bem, no final, o livro ficou com ele, e eu fiquei com a cópia, que dura até hoje!



Para quem está chegando agora, e nunca ouviu falar do jogo, eis aqui uma sinopse:

Imagine o Brasil colonial do ano 1650. Agora pense nas lendas e mitos brasileiros. Agora imagine que todas essas lendas e mitos são reais de fato, e em certa medida, assustadoras. Imagine que a magia é real, e que é possível controlá-la.

Aí você começa a ter uma boa ideia do que encontrar aqui.

Em dezembro do ano passado, fomos agraciados com a noticia de que o Desafio dos Bandeirantes iria retornar, pela Editora New Order.

Isso me deixou com um sorriso enorme no rosto. Muito mais que simplesmente relançar o material, os autores originais - não sei dizer se toda a trupe, ou não - estão reformulando o jogo.
Pelo que pude apurar - por favor me corrijam se minhas fontes estiverem ultrapassadas - o jogo adotará o sistema D20, e contará com a participação do criador do Shadowrun, Michael Mulvihill, nessa adaptação.
Seja com seu sistema original, que é muito bom, seja adaptado, tenho certeza absoluta de que será um lançamento maravilhoso! Aguardo com muita ansiedade essa nova versão!

Que venha a nova edição!

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Fonte de Inspiração: The Byron Chronicles

Hoje venho apresentar um conteúdo de extrema qualidade, mas praticamente desconhecido até mesmo dentro do público Nerd. Estou falando do audio drama "The Byron Chronicles", uma série com 5 temporadas, que conta a história de Byron, um misterioso ser sobrenatural imortal e de poderes quase infinitos, em um mundo repleto de conspirações.


Mas antes de falar da série propriamente dito, vou falar um pouco sobre o conceito de audio drama, que será o tema dessa seção. Eu sou muito fã desse tipo de mídia, e tiro constantemente inspiração daqui para colocar dentro de minhas aventuras.

Audio dramas nada mais são que histórias narradas e interpretadas, contendo, logicamente, apenas o áudio. É exatamente o que eram as "radio-novelas" das décadas de 50 e 60, com uma nova roupagem.
Ainda que no Brasil isso não tenha "pego" muito, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa existe um nicho grande de consumo e produção de audio dramas.
Alguns, como o fodástico Welcome to Nightvale" tem status gigantescos, realizando shows ao longo de todo país. Muitos membros dosite nerd Geek and Sundry, com seu Critical Role, começaram e mantem sua carreira em audio dramas.
Alguns audio dramas que acompanho - e são vários,  são de uma qualidade sensacional. Entre os grandes , eu posso citar "Alice Isn't Dead" (FODAAAAAAA), "Within the Wires" (FODA VEZES DOIS!), e o assunto de hoje, o meu favorito "The Byron Crhonicles.

Eis aqui o link da série: The Byron Chronicles

A série



A série "The Byron Chronicles" conta a história de Byron, um homem misterioso, com poderes inimagináveis e virtual imortalidade, vivendo em uma Portland sombria, cercado por ameaças e pessoas que querem capturá-lo a qualquer custo. Trata-se de um mundo povoado por criaturas as mais diversas. Vários eventos começam a acontecer, prenunciando o fim do mundo, e todos eles parecem ter o Byron como centro ou origem.
Ao longo das temporadas - 5 ao todo - a série mantém muito de seu mistério, deixando as principais revelações para os últimos episódios da última temporada; só no fim descobrimos de fato quem é Byron, e por que tudo SEMPRE gira em torno dele - e a revelação seria capaz de fazer até o queixo do Neil Gaiman cair...
Logo no primeiro episódio Byron conhece Chris Sparrow, uma jovem que é contaminada por uma misteriosa droga sobrenatural, transformando-a em uma vampira.
 O personagem Byron é claramente uma versão sombria e gótica de um Doctor Who, e a relação dele com Chris lembra muito o doutor e suas companions, mas tudo em um mundo dark e cheio de trevas.

A história começa simples, mas poucos episódios depois já somos colocados frente a frente com temas como realidades paralelas, universos alternativos, profecias sobre o fim da Realidade, viagens no tempo, conspirações governamentais, sociedades secretas, e muito mais. Sério, muito mais mesmo.
Na minha opinião, qualquer episódio de "The Byron Chronicles" é melhor que 90% das séries que vemos no Netflix(e tem muita coisa boa no Netflix!).

Uma pena que não exista transcrições dos episódios.

A série realmente se encerra na quinta temporada, e sempre será uma das histórias mais criativas que já terei conhecido.

Vale destacar o trabalho do ator que empresta sua voz para Byron, David Ault. O nível de interpretação cara é absurdo.
Esse ator pode ser encontrado em outros audio dramas, como no também excelente "Star Trek:
lost Frontier".


Caso você esteja com seu inglês em dia - é preciso um nivel bacana de Inglês - eis aqui uma lista de audio dramas que vale a pena conferir:

- Welcome to Night Vale (confira o site original)
- Alice isn't Dead (Confira aqui)
- Within the Wires (dê uma conferida)

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Vampiro: Idade das Trevas - Resenha

Apesar de ter lido quase tudo que já foi lançado para Vampiro A Máscara, confesso que nunca havia me interessado muito pelos cenários alternativos que o sistema Storyteller apresentou.
O que, confesso, não faz nenhum sentido, uma vez que adoro estudar sobre o período medieval - adoro o RPG nacional Arkanun - e tudo que tenha relação com a idade média.
Comprei recentemente o pdf do livro Vampiro Idade das Trevas, e ao começar a ler, um único pensamento passou por minha mente, insistentemente: Por que diabos eu não tinha lido isso antes?!

O livro



Vampiro Idade das trevas transporta todo o lore das crônicas do mundo das trevas para esse período obscuro e cruel. Aqui muito do que conhecemos da história oficial dos cainitas ainda não havia acontecido: não existia ainda nem a Camarilla, nem tampouco o Sabbat; o clã capadócio ainda estava em atividade; os brujahs eram um clã pacifista que queria unir os seus irmãos imortais junto aos mortais, em uma sociedade igualitária; os tzimizce tocavam o terror; os tremere ainda eram uma novidade; e de maneira geral, todo mortal sabia da existência de vampiros e outras criaturas das trevas.



É um livro de leitura agradável, e que é extremamente bem sucedido dentro da proposta que apresenta. Ao optar por colocar aqui TODAS as regras do sistema, a White Wolf criou não somente um suplemento, mas sim um RPG completo. E de fato, não é raro encontrar jogadores que tenham em "Idade das Trevas" seu RPG favorito.
Eu particularmente ainda fico com o Arkanun. Acho que o RPG nacional do Marcelo Del Debbio passa um clima gótico e de horror de forma mais intensa que esse aqui. Mas de forma alguma considero esse lançamento um produto menor.
O livro é excelente. A arte, sempre um dos pontos altos de qualquer livro da WHITE Wolf e do Antigo Mundo das trevas, combina perfeitamente com o clima do jogo.
As regras são as mesmas que as da linha principal de Vampiro - com todos os pontos positivos e negativos (leia-se "combate").
Vampiro Idade das trevas fez tanto sucesso que criou-se toda uma linha de suplementos para ele - de livros de clãs passando por guias de cenário, de linhagens, e aventuras prontas.
Lendo esse livro agora em 2018 eu vejo quão bom eram os livros da White Wolf em sua fase áurea.
Agora que o lançamento de Vampiro A Máscara 5° edição tem agradado a todos e parece estar levantando a editora novamente para um status privilegiado, acredito que é apenas questão de tempo até o cenário vir a tona novamente.



Aguardo ansioso, e acima de tudo, recomendo a leitura dessa belezura!

sábado, 4 de agosto de 2018

Mythic - A Busca de Jullian Arvoz - Parte FINAL (?)

E aqui chegamos em um ponto chave da Aventura; Seria esse o último capítulo de nossa saga? Seria o fim de toda a esperança? Vejamos....

Recapitulando

Jullian adentra a cidade de Jade em meio as Areias do deserto. Sendo misteriosamente poupado das criaturas-sombras que ali habitam, ele encontra uma praça decrépta, onde acha um pergaminho de Jamalan-ir, avisando-o que apenas um encantamento manteve afastado as criaturas. A ladra diz que o único meio de se salvar é encontrar o Templo do Eelementos. Jullian corre, mas antigas barreiras misticas o impedem de entrar nos locais que gostaria. Sem sucesso, dezenas de criaturas começam a caminhar em sua direção. Parece que o encantamento de Jamalan-ir acabou...

Cena 8

Fator de Caos: 9



Jullian está novamente no centro da praça, ao lado de um poço que parece ser o centro da luminosidade azul que toma conta de tudo. Está cercado por dezenas, talvez mesmo centenas de criaturas-sombras, que se aproximam cada vez mais.
Cena alterada ou modificada? 10. Não! (oh Meu Deus, uma cena alterada agora poderia salvar a vida do Jullian!)

Jullian: Essas criaturas que se aproximam, elas parecem hostis?

GME: Muito provavelmente. 105%

(Mas eu posso jogar ainda assim, pois tenho 35 pontos de Favor que posso somar ao resultado...assim, se eu tirar "85" ou mais, posso somar esse valor ao resultado, alcançando...vamos tentar...)
16. (Não consigo atingir o necessário). Eles estão empunhando espadas de Sombras, e claramente estão com atitudes hostis. Não possuem olhos, mas buracos pelo qual você consegue enxergar uma luminosidade sinistra, capaz de gelar a alma.

Jullian: Certo...eu olho em volta, e percebo que estou cercado. Me aproximo ainda mais desse poço, até quase a beirada dele. Eu consigo olhar dentro dele?

GME: 95%. 100. (Nãooooooooooooooooo) Não apenas olhar para o poço lhe causa uma dor terrível, inexplicável. Você vê maldade lá dentro, acima do que você consegue suportar.
Faça um teste de "Toughness" para evitar desmaiar...

(A dificuldade do teste será "Incredible" -Inacreditável. Minha Resistência é Na Média. O que me dá um valor de 10% de chance de resistir)

Jullian: 56. Não passo

GME: Tudo a sua volta começa a adquirir uma coloração estranha, como se a luminosidade azul começasse a dançar.  Sua cabeça começa a girar, você sente suas forças se exaurindo. E por fim, tudo são Trevas...

Jullian: E agora a pergunta mais dificil de ser feita: Eles me matam?




GME: Eles se aproximam, todos ao mesmo tempo. Eles parecem atravessar os corpos de luminosidade uns dos outros, se fundindo, se tornando apenas 1. Após vários minutos, temos apenas um ser, um cavaleiro da morte, cuja luminosidade se equipara à do poço ao lado. Ele se aproxima ainda mais do seu corpo inerte...saca sua espada etérea e...

(O GME define que a chance do ser matar Jullian é "Provável", que quer dizer 95% (Maldito Fator de Caos!) Ele joga os dados e...
67.

GME: Sem hesitação, ele atravessa o coração de Jullian com aquela espada. A espada parece não causar grande dando físico - como se atravessasse a carne de forma intangível - mas atinge uma outra parte, como se sugasse a propria alma de Jullian. Em poucos segundos, o corpo do nosso herói adquire uma aparência cadavérica, como se estivesse ali naquele deserto à muitos anos.

Em algum lugar, Jamalan- ir acorda de seu sono, suando, desorientada, com cenas de terror em sua mente. De alguma forma, ela sabe que algo terrível aconteceu com seu companheiro de aventura...


Seria esse o fim de nossa aventura?

Ou não?


...

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Viagem através de Mirkwood - Gameplay Parte 3

E aqui continuamos com a jornada de Andolian, um Elfo de Valfenda, encarregado pelo próprio Senhor Elrond de levar um importantíssimo pergaminho até o Rei Thandruil. Para isso ele deve atravessar toda a floresta de Mirkwood. Trata-se de um pergaminho de grande poder, e o próprio Senhor do Escuro enviou seus Servos e lacaios à fim de obter esse conhecimento.
Estamos no 15° dia de jornada


dia 15

"Acredito que a cabana que encontrei no dia anterior pertença a um Guardião. Continuo seguindo seu rastro, sei que Algo está atrás dele; preciso retribuir o facor. Passo por trilhas obscuras, em meio a paisagens rochosas entre arvores ancestrais. No meio da trilha encontro um TESOURO, mais alimento élfico! O Guardião realmente merece minha gratidão e ajuda"

Saúde: 10     Exp: 5    Magia: 0




Dia 16

O rastro de algo sinistro se torna evidente a cada hora. O Guardião deve estar carregando algo igualmente valioso e importante. Deixo de caminhar e começo a correr, antecipando o pior. Meus olhos então contemplam um outro WARG! É hora de lutar mais uma luta contra essa fera do mal.

Saúde: 10    EXP: 6    Magia: 0

"Estou fortalecido pelos dias que passaram...Wargs não são mais assustadores quanto antes..."


Dia 17

"Encontro um oasis em meio as trevas. Encontro o que parece ser um jardim repleto de flores e coisas alegres. Nunca vi tantas borboletas juntas. Quem cuidará de tal lugar? Que poder pode tornar o cinza de tudo em tamanha beleza? Em Valfenda contam-se histórias de um certo ser, Tom Bombadil, uma criatura misteriosa de grande poder, e que habitaria lugares como esse...seria possível?
"Em meio a pensamentos de espanto, encontro uma casa, um lugar de DESCANSO, incrivel. Não há ninguém ali. Sinto que não importa o que se esconde lá fora, nas sombras...sinto que nada malgno consiga suprtar a beleza desse local. Á noite, sinto uma presença em meu sono elfico. Enfim, estou certo de ter encontradoum das grandes lendas do Mundo Antigo"

Saúde: 10     Exp: 6        Magia: 0


Dia 18

Apenas algumas horas do dia após deixar aquela casa de sonhos, encontro-me em meio a um pantano profundo e cinza. Névoas sombrias tornam dificil enxergar qualquer coisa. Mas entre as brumas, enxergo uma Aranha Gigante, seus tentáculos maiores do que meu corpo inteiro. O combate será dificil"



Saude: 7    Exp: 7        MAgia: 0


"Saio ferido, mas vitorioso"


Dia 19

"Contnuo avançando. Acredito ter chego na metade de minha jornada. A floresta está diferente, como se fosse viva. Escuto vozes entre as névoas. Elas nunca vão embora, nem as vozes. Não há trilhas aqui. Sigo entre raízes e pedras, até avistar outro WARG. Eles realmente estão no meu encalço"

Saúde: 7       Exp: 8      Magia:   0

"Estou me acostumando a lutar contra eles"


Dia 20

"Encontro em meio ás névoas um grupo de aventureiros. Não questionei suas razões para estarem ali, uma vez que não questionaram as minhas. Contaram histórias terríveis, de feras espreitando na noite, e também de seres de Sombra e maldade. Partiram logo após o almoço. É tarde, as brumas estão ainda mais densas. Vejo tarde demais a corda de uma ARMADILHA tocar minhas pernas. Sou arremessado para longe, batendo as costas contra uma parede natural de pedras"

Saúde: 6     Exp: 8                  MAgia: 0


Dia 21

Nesse dia, após encontrar uma formação natural que parecia oferecer alguma proteção, passei descansando, saindo apenas para buscar água e investigar possíveis emboscadas. Tudo está calmo, e a natureza , a despeito das névoas, transpira vida e energia.
Mas ouço um barulho acima. tento entender a origem, e vejo um outro mago, possvelmente um CURANDEIRO, ao mesmo tempo parecido com aquele que encontrei anteriormente. Este aqui usa vestes azuis, e agora não consigo me lembrar mais de seu rosto. Ficou feliz ao ouvir meu encontro com Radagast. Por alguma razão, ele pensava que este estivesse morto. Sua alegria foi tão gradne  que ele ofereceu para mim uma poção, capaz de curar um pouco meus ferimentos. E partiu, ao que pude entender, em busca de Radagast."



Saúde: 7     Exp: 8      Magia: 0


Contnua

A Biblioteca Seráfica - Mais Shadowlands no Blog!

Galera, uma rápida aventura solo esses dias na minha campanha  de Mighty Blade nas Shadowlands me presenteou com mais esse cenário, uma bibl...