domingo, 30 de setembro de 2018

O RPG solo mais simples do mundo - Sugestões

O RPG mais simples do mundo



Semana passada, o blog IBRPG publicou esse sistema, chamado curiosamente de o “RPG solo mais simples do mundo”, que me deixou grandemente impressionado.
Não vou explicar aqui as regras, mas se você quiser conhece-las, eis aqui um link com o sistema traduzido (por mim): O RPG mais simples do mundo
O que temos aqui é um breve gameplay do método que desenvolvi a partir desse sistema.

Tabelas aleatórias

Eu sou completamente apaixonado por tabelas aleatórias. Sobre qualquer coisa. Quer me fazer ler algo, coloca na chamada que tem tabelas “D10”, tabelas “D12”, e logicamente minhas favoritas, as tabelas “D100”!
Mas a verdade é que eu ao longo dos anos desenvolvi um estilo pessoal de jogar solo mais baseado em oráculos estilo “sim/não” e em conclusões lógicas a partir delas, como sugere o Mythic. Assim, de maneira geral existe pouco espaço para o uso de tabelas em minhas sessões solo, o que sempre lamentei.
Mas esse sistema aqui – o mais simples do mundo – estimulou minha imaginação. Tive um vislumbre, e vi que com ele posso rodar aventuras e até mesmo campanhas inteiras baseadas totalmente em tabelas! Mas como?

O Passo a Passo

O primeiro passo é escolher uma tabela D100. Caso você não tenha muitas, eis aqui um link com minha coleção de tabelas D100: tabelas
O tema da tabela é o tema da aventura.
Por exemplo, se você escolhe uma tabela D100 de Encontros em uma Floresta, a aventura toda se passará em uma floresta. Se for “D100 Eventos em Viagens”, a aventura /sessão será uma viagem. Simples assim.
A partir do tema da tabela, crie uma pequena história, uma justificativa.
Por exemplo, caso você tenha escolhido a tabela de “Floresta”, pense: “Por que eles estão atravessando a floresta?”. Resposta possível e simples: “Eles querem quebrar a maldição que há naquele local, e se instalou ali há 200 anos”.

Determinando o numero de desafios

Isso depende do tempo que você terá. Lembre-se que o “RPG solo mais simples do mundo” foi pensado para aventuras inteiras em poucos minutos. Eu tenho jogado aventuras que duram entre 10 a 15 minutos enfrentando 7 desafios. Assim, acho que a seguinte tabela pode ser usada como base:

Tempo disponível para jogar               Numero de Desafios
5 minutos                                                3 desafios
10 minutos                                              6 desafios
15 minutos                                              9 desafios
20 minutos                                              12 desafios

....
E assim vai...seguindo esta lógica de que cada 5 minutos é um tempo hábil para lidar com 3 desafios.
Cada desafio nada mais é que uma rolagem na tabela D100 que você escolheu para impulsionar sua aventura.
Tome alguns segundos para visualizar o desafio, crie uma ligação de continuidade entre a cena anterior – de que forma ela conduziu para esse novo desafio.

Criando o grupo de heróis

Uma vez que as regras do jogo são altamente mortais, recomendo a criação de um grupo grande de Heróis; entre 5 a 7 heróis está de bom tamanho. Procure variar a classe e habilidades entre os heróis.
Dê a cada um deles um nome e um breve histórico.
Pronto.

Exemplo

Esse exemplo é baseado na tabela D100 Crypt Locations – uma tabela com 100 possiveis locais e encontros envolvendo tumbas, criptas e mausoléus.
Eis aqui um link para baixar a tabela (em inglês):Crypt Locations
Crio a seguinte História:
“Há muito tempo atrás, em um vilarejo distante, um grupo de 7 bruxas das trevas foram caçadas e condenadas. Elas foram enterradas em 7 criptas, localizadas em uma colina afastada da vila. Recentemente, eventos estranhos começaram a acontecer, assustando os moradores do local. Acredita-se que o espirito de uma das bruxas esteja assombrando o local e ameaçando a paz”

Crio um grupo de heróis, com 5 membros:

Rub e Bur, 2 irmãos gêmeos, anões e guerreiros;
Rufallus, um arqueiro elfo (guerreiro, para todos os fins)
Tessarius, um clérigo humano
Maraiah, uma maga halfling
Um grupo de heróis errantes, que vaga pelo mundo em busca de oportunidades de enfrentarem o mal...

Desafio 1

O primeiro passo é rolar na tabela, para determinar o local e ter inspiração para o desafio:
47: Cripta de Debrahar, uma aventureira que foi morta por um incubo. A lenda diz que ela se transformou em uma criatura maligna que se escuta uivando para a lua cheia...
Nesse caso, além do lugar, ficou clero qual o desafio: enfrentar a criatura na qual Debrahar se transformou...
O próximo passo é elencar o herói que enfrentará Debrahar. Esse herói terá uma única chance de sucesso. Mesmo que ele pereça, o restante dos heróis deve prosseguir, e o desafio é considerado superado (à custa da vida daquele herói)
Eu seleciono Bur, um dos irmãos anão para enfrentar. Ele é um guerreiro. Ele pega seu machado de guerra e parte em direção ao monstro. Como guerreiro, ele recebe +1 de bônus nos ataques.
Rolo um D6. Tiro 5. Sucesso! Ele vence o desafio com louvor. Agora, além do grupo poder continuar, Bur passa a ser um herói de 2 nível – o que quer dizer que ele tem um Ponto de Destino (caso ele morra nessa aventura, poderá retornar a partir da aventura seguinte).

Desafio 2

Rolamos novamente na tabela.
26: A cripta de Noodle, um famoso alfaiate que servia os nobres, e gastava sua fortuna na compra de relíquias e estranhos objetos. Alguns dizem que Noodle também era um mago que confeccionava itens mágicos.
Aqui os heróis devem enfrentar uma armadilha: O próprio Noodle criou alguns itens mágicos que protegeriam sua tumba de invasores e ladrões.
Seleciono o clérigo Tassarius para enfrentar esse desafio.
Rolo 1D6. Tiro 3. Infelizmente, para superar o desafio, Tessarius teve que sacrificar sua própria vida! Como ele ainda não possuía nenhum ponto do Destino, esse é o fim definitivo para ele!

Desafio 3

74: Cripta de Zonrang. Zonrang foi uma moça oriunda de uma família influente e muito rica. De coração vil, ela costumava contratar malfeitores para dar um fim a outras moças que ela considerava mais belas que ela. Contam histórias de um fantasma que ocasionalmente ataca mulheres consideradas belas no vilarejo próximo.
O desafio aqui é enfrentar o fantasma de Zonrang.
Seleciono a maga Maraiah.
Rolo 1D6. Tiro 2. Que pena! Fim da linha para minha maga, que também não poderá retornar em aventuras futuras!

Desafio 4

53: Cripta de Zahdran, um homem conhecido por emprestar dinheiro, morto de forma violenta.
Aqui estipulo que o desafio serão ladrões, que coincidentemente estavam roubando a cripta na hora em que os heróis chegaram.
Seleciono Rub para enfrenta-los, com seu machado.
Rolo 1d6. Tiro 2. Como Rub é um guerreiro, somo +1 ao resultado, o que ainda assim significa a morte para ele!

Essa aventura está sendo mortal para nossos heróis! 

E assim continua...

Acredito que deu pra ter uma ideia de como funciona!

O segredo é imaginar essas cenas que mesmo que rápidas, podem gerar uma aventura muito divertida!

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

RPG SOLO...Qual sistema escolher, e por onde começar???

Galera, eis aqui um post bem despretensioso sobre os muitos sistemas de RPG solo.
Quando comecei a pesquisar sobre o tema, 3 anos atrás, havia pouquissima coisa escrita em português sobre o RPG solo.
Hoje em dia, temos muita coisa!
Além dos sistemas próprias que a galera tem criado, temos uma quantidade significativa de traduções, e muito mais está por vir!
Eu acompanho a cena internacional de RPG solo e posso afirmar que o Brasil é o segundo local quando o assunto é RPG solo!
MAs para quem está começando agora a conhecer a forma solitária do jogo, fica uma indagação:

Qual sistema escolher?


Temos sistemas consagrados como o Mythic, Ironsworn, bem como sistemas mais indies como MISO, BIVIUS, So1um...temos dungeon crawls como Fortaleza de Berdolock, 4 Against Darkness, Malleus, 3 Dice Dungeon. Temos nossos jogos nacionais, a produção da galera.
Então, como decidir?

A verdade é que não existe uma resposta definitiva para essa questão. O melhor caminho, sem sombra de duvida, é testar um a um, e ir analisando os prós e contras daquele sistema.

Por exemplo, eu amo o Mythic quando o assunto é elaboração de cena e resolução de ações, mas não curto tanto para combates. Adoro a mecânica de resolução de combate da Fortaleza, mas prefiro a construção de salas do 4 Against Darkness.
Mas só descobri isso jogando.

MAs, para tentar dar algum indicativo, acho que primeiramente o novo jogador deve-se perguntar o seguinte: Eu quero um sistema mais leve, com poucas regras, ou um sistema mas denso? Um jogo mais focado na Narrativa, na história, ou mais focado nas mecânicas?


Eis aqui o que eu acho que funciona em cada um dos casos. Lembrando que essa é só minha humilde opinião, e mesmo ela vive mudando o tempo todo!!!




Sistemas mais leves, e Narrativos

Se você está interessado mais na história, na saga, na narrativa, sugiro começar com algum dos seguintes sistemas: MISO, BIVIUS, So1UM, ou Crossroads. Todos esses foram traduzidos e você pode baixar gratuitamente na nossa pagina no facebook, na seção "arquivos". Segue abaixo o link de nossa página:
Grupo Solo RPG

Se você quer explorar masmorras em aventuras bem simples, eu sugiro Fortaleza de Berdolock e o 3 Dice Dungeon. O 4 Against Darkness também pode ser considerado um sistema bem light.

Outros que consideros leves:
-Minisold6 - um RPG que mistura o So1um com o sistema Minimal d6. Escrito por Sophia Brandt.
- Oculus Tri fold, um sistema hiper mega desconhecido.
- 3 Stone Stories, que utiliza 1 única moeda e é muitoooooooooo bom!
- Dungeon Solitaire, que utiliza um baralho para construir sua dungeon.

Se você me pedisse para indicar APENAS 2, eu diria que você poderia começar com o MISO, e com o FOrtaleza de Berdolock. Em poucos dias você estará pronto para novos desafios!

Sistemas mas Robustos

Se você gosta da história, mas também quer aplicar todas as mecânicas do seu RPG favorito, eu sugiro os seguintes jogos: Mythic Game Master Emulator (o livro azul, não o vermelho), CRGE - Conjectural Roleplayng Game Emulator, E Ironsworn, que tem seu proprio sistema, inspirado nos jogos powered by the apocalipse.

Se você quer explorar masmorras com um pouco mais de regras, eu sugiro o D100 Dungeon, e o MErcadores e Masmorras, que é bem fácil, mas como possui 2 fases coloco aqui na lista dos mais robustos. Tabém coloco aqui o Pocket Dungeon 2.0.

Se você me perguntar, eu diria para você começar com o MYTHIC, por ser o pai de todos os RPGs solos que temos hoje em dia.

Lembrando que nenhum desses sitemas é realmente dificil de se aprender e jogar. Comparado com RPGs como D&D 4 edição, Gurps, Cyberpunk 2020 , Shadowrun, esses sistemas parecem brincadeira de criança! Estou apenas comparando entre outros sistemas solo.

Outros que possuem regras mais robustas:

- Chamado da Aventura, do Carlos Castilho, que é bem intuitivo , mas possui regras hiper bem construidas. Ainda em fase de testes.
- Anos de Pesadelos, do Lucas, que tem inspiração na vibe Old School.
- Bivius Tunnels and Dragons, um suplemento do Bivius que adapta aventuras de fantasia para Bivius
- Covetou's Poet Adventure Creator - um sistema insano que utiliza infinitas  tabelas D1000 (MIL!!!)


e vou parar por aqui, pois minha intenção é só indicar um possivel começo...existem muitos outros incriveis em ambos os lados, e depois que se pega as manhas de um, fica bem fácil entender os outros!

Depois que você conhecer diversos sistemas, eu sugiro que você identifique o que gosta em cada um - e começa a usá-los conjuntamente!
 Essa é a parte boa de se jogar solo, as regras são SUAS, a diversão é toda SUA. Não tenha medo de fazer misturas. PEgue aquela tabela do Mythic, junte com aquela regrinha do MISO, construa sua masmorra com as tabelas do 4 Against Darkness, e seja feliz!

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Arte dos Aventureiros - Star Wars

Galera, após um pequeno hiato no blog, voltamos com tudo! Entre hoje e os próximos dias, vou encher nossas paginas de galera que tem produzido uns props muitooooooo bacanas para suas aventuras solo!
Caso você veja sua arte em alguma postagem e não tenha gostado muito, é só falar que eu retiro o post!
Aqui está o trabalho de mais um aventureiro, @lucianajohnathan, que montou uma mesa de Star Wars onde ele utilizou a clássica brincadeira do "peteleco" como ferramenta de aventura e mecãnica de resolução, em uma ideia simplesmente genial demais!



Eis aqui as próprias palavras do aventureiro, explicando sua técnica:

"O peteleco funciona da seguinte forma: vc pega uma tampinha de refrigerante e coloca na frente da figura, após isso retire-a e de um peteleco na tampinha para determinar orde ela irá parar. Onde ela parar vc coloca a sua figura novamente na frente da tampinha e a retire-a de trás. Pronto, vc acaba de determinar o movimento dela. Após isso vc coloca uma pecinha menor (no caso eu peguei uma peça do jogo war) que representa o seu tiro do lado da sua figura e de um peteleco nela em direção ao seu adversário. Derrubou o inimigo ele tá morto,
 caso contrário ele permanece em jogo!"

Só uma palavra : Sensacional

Por que eu crio jogos? –Parte 1

Por que eu crio jogos? –Parte 1 Hoje quero escrever um pouco sobre isso. Por que eu insisto em gastar uma boa parte do meu tempo...